Dudu Azevedo revela forte sentimento por interpretar Jesus

Ator fala sobre sua motivação diária para continuar dando vida a grandes personagens e conta o que está aprendendo com o novo papel

Por Juliana Moraes
Fotos: Faya

Em entrevista exclusiva para a Mais Mais Mais, o ator Dudu Azevedo fala sobre sua trajetória artística e conta como é  interpretar o protagonista da novela “Jesus”, da Record. Arte, desafios e planos para o futuro do ator também estiveram na pauta do bate-papo que você confere a seguir.


Por que decidiu entrar para a vida artística? O que te motivou? Acho que mais fui escolhido do que escolhi, de fato, a vida artística. Sempre fui fascinado por música. Comecei a tocar com uns 12 anos de idade e logo em seguida apareceram testes e os primeiros trabalhos como ator. Aos poucos fui descobrindo que essa era mesmo a minha vocação.

Como foi no começo? Quais os principais desafios que você enfrentou? O começo foi sem grandes pretensões ou talvez aquelas grandiosas, características de qualquer criança. Mas vivi cada etapa como pude e quis, para então descobrir que era isso mesmo depois dos 20 anos de idade. Um começo cheio de vivências interessantes que consolidaram minha certeza na escolha. 

Ao longo de sua carreira, qual foi o personagem mais marcante que você interpretou? Muitos dos personagens aos quais dei vida, doei ou emprestei o melhor e o pior de mim, ainda estão aqui comigo, no meu consciente ou inconsciente. Mas não tenho a menor dúvida de que todos deixam grandes lições. Mas, a respeito desse tema, não há outra possibilidade que não seja a de reafirmar que Jesus é o maior, mais importante e desafiador de todos os personagens. Oportunidade indefinível.

O que vem aprendendo com o personagem Jesus? Interpretar Jesus me faz ser melhor a cada dia. Já imaginava que seria assim, mas, na prática, é algo maior e inexplicável.

Se pudesse escolher outra profissão, qual seria? Se não vivesse desse e para esse oficio, certamente viveria de e para a música.

Qual a sua maior motivação profissional? Minha motivação profissional é o desafio e saber que estou em constante evolução. Meu amadurecimento como ser humano interfere em cada trabalho e toda nova jornada me sinto novo, diferente, melhor. Estar em constante evolução me motiva demais. Me estimula a me desafiar e me superar.

Dentre todos os seus trabalhos, teve algum que você não gostou? Por quê? Nenhum trabalho me marcou negativamente. Prefiro sempre capitalizar, evoluir em cada oportunidade, por mais difícil que seja, vez ou outra.

Quando era mais novo, sonhava em ser ator? Se não, o que sonhava em ser? Já sonhei com muita coisa. Na infância os sonhos são mais lúdicos e inocentes. Mas na vida adulta continuo sonhando e acho que isso me move sempre adiante. Sonhar é fundamental

Para você, como é viver de arte no Brasil? Viver de arte no Brasil é, sim, um desafio. Viver é um desafio e meu trabalho não é melhor nem pior que qualquer outro, mas apenas adequado pra mim e para quem se realiza nele, como eu. Espero poder viver sempre dignamente do meu trabalho, ser respeitado, ter minha profissão reconhecida e instituída, não ameaçada por pensamentos retrógrados que lesem todas as conquistas de nós, artistas, em favor dela até hoje.

Se pudesse consertar um erro do passado na profissão, qual seria? Não há algo no meu passado profissional que eu queira apagar ou desfazer.

Qual seria o seu trabalho dos sonhos? Meus sonhos em relação ao trabalho: viver dignamente dele, ser conhecido, respeitado e dignamente remunerado. Imagino a ideia de ter reconhecimento fora do Brasil, poder trabalhar em outros países em projetos interessantes e importantes. Ter uma carreira longa, mas não ser “escravo”; poder escolher projetos que me façam sentir pleno e realizado na profissão. Contudo, ainda quero poder proporcionar sempre uma vida confortável à minha família.

Você também é apresentador e baterista. De qual função você gosta mais? Amo atuar, tocar e apresentar! Gostaria de poder trafegar sempre em todas as vertentes.

Para o futuro, quais são os seus planos? Meu tempo está curto e tenho vivido intensamente o presente. Quero ter tempo pra aproveitar o meu filho e minha família. Com relação a trabalho, ainda não planejei muita coisa exatamente porque quero estar totalmente focado no meu desempenho e na minha evolução com esse que estou vivendo agora.

PING-PONG:

Um sonho: Ser rico de saúde, tempo e felicidade
Um medo: Da inércia, apesar de adorar descansar
Uma cor: 
Branca
Um animal: 
Cachorro
Uma pessoa: 
Física
Uma qualidade: 
Acreditar sempre
Um defeito:
 Ser exigente demais
Uma inspiração: 
Meu filho
Um esporte: 
Surf
Signo:
 Escorpião
Se pudesse ser outra pessoa, quem você seria? 
Eu nunca desejei ser outra pessoa, não seria agora