Isis Pessino vive plebeia fanática na trama das sete

Atriz fala sobre semelhanças e diferenças com a personagem.

Fotos: Lucas Nogueira


A carioca de 21 anos falou sobre sua relação com o veganismo e feminismo. Isis abriu o jogo a respeito de suas inspirações, os projetos para o futuro, suas especialidades na cozinha e revelou ser uma mulher super sensível! Confira isso e muito mais neste bate-papo exclusivo.

Seu primeiro contato com a atuação foi muito nova. O que te encantou nesse universo? O teatro sempre foi para mim um lugar de liberdade e, por consequência, de auto descobertas. Eu amo esse jogo de “faz de conta” de poder ser mil pessoas dentro de um corpo só. Foi natural a minha aproximação com a profissão, quando eu me dei conta já estava sendo atriz, e sempre muito apaixonada.

Recebeu apoio da família? Sim. Minha mãe me deu todo o apoio do mundo. Sou muito grata.Como foi a preparação para “Deus Salve o Rei”, uma novela do período medieval? O maior desafio foi entrar nesse universo medieval, para isso nós tivemos uma preparação de elenco intensa, com aulas de dança e luta medieval. Eu também li muito sobre a inquisição e tentei entrar mais em contato com as histórias das mulheres inocentes que foram mortas na fogueira. Também pesquisei bastante sobre as notícias da atualidade e fiquei muito chocada ao encontrar histórias bem similares de fanatismos que matam. Não quero que a Ísis pareça uma pessoa do passado. Ela diz muito sobre o que estamos vivendo hoje em dia.

O que há em comum entre a carioca Isis e a Ísis de Montemor? A Ísis e eu temos muitas coisas diferentes e algumas coisas parecidas, além do nome. Ela é muito determinada e curiosa, como eu. Nós duas nos entregamos 100% para as coisas que achamos importantes, mas a Ísis tem uma tendência a ficar cega com seus interesses e acabar passando por cima de qualquer um. Isso eu acho muito grave porque para mim nada justifica violência. Precisamos respeitar as diferenças e nos informar sobre nossos problemas para poder criar a nossa própria opinião ao invés de reproduzir discursos equivocados e preconceituosos que podem ter consequências muito preocupantes. A nossa grande diferença é que eu tento ser empática com as diferentes realidades de vida das pessoas.

Qual o trabalho dos sonhos? “Nora”, da peça “Casa de Bonecas” do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen.O que te motivou a aderir ao veganismo? Escolhi o veganismo porque acredito muito que precisamos ser conscientes com nosso planeta. O veganismo pra mim é um ato de amor ao próximo, cuidado consigo mesmo e consciência ambiental. Além de ser muito gostoso! Ninguém precisa morrer pra gente se alimentar. Acho que alimentação, como tudo na vida, é política.

Teve dificuldade no início? Fui vegetariana por sete anos e, há dois, me tornei vegana. Meu processo foi fácil. Eu quase sempre cozinho minha comida e é uma meditação entrar em contato com os alimentos que vou ingerir

Qual a sua especialidade na cozinha? E o prato favorito? Faço muito hambúrguer de lentilha, aprendi a receita na internet com o meu namorado, que é vegano também. Meu prato preferido é strogonoff de grão de bico (que é super fácil de fazer!).

Você também é envolvida com o feminismo. Como você vê a importância de debates acerca desses dois temas? Esses debates são necessários e urgentes. Precisamos nos conectar para trocar opiniões e entender o que podemos fazer para melhorar a nossa sociedade.

O que te inspira? Olhar para as coisas. Olhar mesmo, como se estivesse procurando a beleza de tudo. E principalmente quando estou na natureza amo fazer isso. Me sinto fazendo parte do mundo quando eu me conecto e o aceito como ele é, assim como eu sou. É como uma meditação. Me dá forças para existir.

Como você cuida do corpo e da mente? Pratica exercícios regularmente? Faço terapia há muitos anos e definitivamente recomendo a todos! A terapia é meu maior cuidado com a minha mente para trabalhar a minha relação comigo mesma e com o mundo. Com o corpo é a mesma coisa, é um trabalho constante para me aceitar do jeito que eu sou. Meu único exercício físico são os ensaios no teatro.

Quais são seus hobbies? Eu amo muito meu trabalho, então acaba sendo um pouco difícil me manter desconectada, sempre vou ao teatro para ver o que está rolando por aí. E depois da peça é sempre bom ir para um barzinho com os amigos!

Quais são seus próximos projetos? Eu tenho meu coletivo de teatro chamado Coletivo Dupla de 3 (junto com Julianna Firme e Rodrigo Trindade) onde juntos nós desenvolvemos pesquisas sobre teatro. Com o Coletivo fui indicada a prêmios de melhor atriz em festivais de esquetes no Rio de Janeiro e ganhamos prêmios de Melhor Esquete, Texto, Cenário, Figurino e Direção. Esse ano estamos no processo de ensaio da nossa primeira peça, intitulada “Gravidades”, com direção da Julia Stockler e Laura Araújo e estreia prevista para o segundo semestre.Ping-Pong

  • Nome completo: Isis Pessino Monteiro de Barros
  • Idade: 21
  • Local de nascimento: Rio de Janeiro
  • Altura: 1,64
  • Qual é sua maior qualidade? Sou muito sensível
  • E seu maior defeito? Sou muito sensível (risos)
  • O que você mais aprecia em seus amigos? O jeito caloroso de olhar para a vida
  • Sua atividade favorita é: Atuar
  • Qual é sua ideia de felicidade? Estar estabilizada na minha profissão e ter um abrigo para animais que precisam de ajuda
  • Quem você gostaria de ser se não fosse você mesmo? Um pinguim. Vale animal? (risos)
  • E onde gostaria de viver? Em uma casa na beira do mar
  • Qual é sua viagem preferida? Tenho muita vontade de conhecer o Egito
  • Qual é sua cor favorita? Azul
  • Um animal: Pinguim
  • Quais são seus atores preferidos? Cico Caseira, Fernanda Montenegro, Dani Barros
  • E seus cantores? Amo funk, Avril Lavigne e Caetano Veloso
  • O que você mais detesta? A indústria carnista
  • Que dom você gostaria de possuir? Respirar embaixo d’água
  • Uma mania: Morder a pele da boca
  • Um sonho de consumo não realizado: Patinete elétrico
  • Uma lembrança de infância: O dia em que eu abri o queixo. Chorei muito (risos)
  • O que a irrita? Pessoas querendo passar por cima das outras
  • O que ou quem é o maior amor de sua vida? Minha mãe
  • O que você considera a sua maior conquista? Estar viva até agora. Eba!
  • Qual é o seu maior tesouro? Minha cachorrinha chamada Estela
  • Defina-se em uma palavra: Coração