João Pedro busca equilíbrio sobre expectativa no novo trabalho

Estilo JP de ser: apaixonado pela arte e de personalidade firme.

Fotos: Bruno Romão


João Pedro tem apenas 15 anos, mas começou a trabalhar aos 8 em campanhas publicitárias. Em 2013 fez sua estreia nas telinhas em “Além do Horizonte”, e essa participação rendeu prêmio de ator revelação, assim como os personagens em “Alto Astral” (2015) e “Êta Mundo Bom!” (2016). Agora, JP está na nova novela das seis da Globo. Além de atuar, JP também está envolvido com dança, música e moda. Com milhares de seguidores no Instagram, ele compartilha sua rotina e estilo, inspirando jovens garotos. Em entrevista exclusiva ele falou sobre experiências, trabalhos atuais, inspiração e aprendizado.

Como surgiu o interesse pela atuação? Na verdade, esse interesse sempre esteve muito presente na minha vida. Desde bem pequeno minhas brincadeiras eram ligadas à atuação, estava sempre assistindo filmes e repetindo as cenas atuando, criando cenas com os meus bonecos e até mesmo montando (improvisando) um palco na sala para fazer os shows que assisti em DVD.

O que carrega de aprendizado dos seus personagens até agora? Cada personagem tem um jeito, uma forma de agir e pensar diferente. E isso é um grande aprendizado, já que preciso ter características diferenciadas.

Digamos que… Passo a ter conhecimentos de diversos tipos de atitudes e personalidades, sem contar quando o personagem é de época, o que me faz ter conhecimentos através dos estudos para composição dos personagens, como a própria vivencia, por exemplo como se vivia em séculos passados… Como eram os costumes, a forma de se vestir, de se expressar (bem diferente de agora) inclusive!

Diria um aprendizado e um certo entendimento em relação aos seres humanos e suas diferenças, um aprendizado a tudo que se foi vivido. Diria uma verdadeira “aula de história”.

Teve algum contato com a dança antes do “Dancinha dos Famosos”? Sim, antes de imaginar que estava na “Dancinha” fiz algumas aulas de sapateado (que gosto muito!) sou apaixonado pela arte de verdade! e tudo que está ligado a ela. Sempre que posso procuro aprender mais. Acredito que a vida é um eterno aprendizado, e quanto mais aprendemos, mais preparado para “viver” estamos.

Quais os trabalhos (personagem ou produção) dos sonhos? Todos os que tive oportunidade de estar até o momento, foi um sonho e sou muito grato. E com essas oportunidades surge cada vez mais o desejo de viver diferentes personagens: um vilão, um líder (que possa representar e passar) uma história de dificuldades, de superação. Aquele personagem que conseguirá vencer diversos obstáculos (seja ele qual for) sabe?! E assim poder passar para os telespectadores o quanto somos e podemos ser capazes. Acredito que essa seria uma das minhas grandes realizações… Mostrar a força que qualquer um de nós podemos ter e assim vencer!

Como surgiu o convite para integrar o elenco de “Orgulho e Paixão”? “Orgulho e Paixão” vem ser do mesmo autor que fiz minha estreia, Marcos Bernstein (na novela Além do Horizonte). Na sinopse teria um personagem “mais novo” então a produtora de elenco Frida Richter entrou em contato fazendo convite, no qual o autor adaptaria “Estilingue” para mim.

Fale um pouco sobre o Estilingue. Em quais pontos você se identifica e se opõe ao personagem? Estilingue, vulgo Trajano Pereira, como o apelido em si já deixa transparecer gosta de aprontar, criar situações um tanto enrascadas. Muito observador que tem uma profissão já escolhida e para isso é bem estudioso. Tem como exemplo seu “tio” Jorge (Murilo Rosa) um advogado bem sucedido sendo essa a profissão escolhida por ele a seguir.

Posso dizer que sou tanto diferente do Estilingue… Sou bem tranquilo, na minha, zero em aprontar. Porém nos identificamos nessa parte de mesmo (ainda novo) já com a certeza, a vontade e o empenho a profissão que deseja ter.

Como está a expectativa para esse retorno às telinhas? Não tem como não rolar uma expectativa, né?! Até mesmo uma ansiedade de começar e ver a forma que o personagem vai desenvolver, o interesse dos telespectadores pela história que os personagens irão ter. Mas em geral uma certa calma… Amo o que faço e faço de alma, entende? E acredito que isso faz muito valer!

Seus personagens cativam o público e já renderam prêmios. Como é sua relação com os fãs? Sim, recebo um enorme carinho, aceitação e reconhecimento do público. E por coincidência e uma certa curiosidade com uns nomes “apelidos” um tanto sugestivos e que já despertam uma certa curiosidade (rsrsrs). Só tenho a agradecer, acredito que esse reconhecimento é por estar conseguindo passar o que deveria ser passado, é estar fazendo valer o personagem e assim surgem as premiações, o que só me faz acreditar que estou no caminho certo e só me dá forças para percorrê-lo.

Sou grato demais por essa admiração e carinho, não poderia deixar de retribui-los com todo carinho, verdade e atenção que merecem. Jamais conseguiria não ser assim. Na minha opinião, um artista sem público seria um espetáculo sem plateia.

O que te inspira no trabalho? O que me inspira mesmo é a minha vontade e a minha paixão pela arte.

Fale um pouco da sua relação com a dança e a música. É possível afirmar que a arte é algo atrelado à sua essência? Como já citei tenho paixão por tudo que está ligado à arte. Acho que faz sim parte da minha essência! Estou retornando as aulas de sapateado e dança, como a de música também. Minha vontade é sempre que puder aprender algo ligado a ela e assim me sentir completo.

Durante o Carnaval, você sofreu um ataque racista na web. Como lidou com isso? Já havia passado por algo parecido? Pois é, fiquei um tanto surpreso, sabe?! Não pelo fato em si, até porque a gente vê isso (infelizmente) a todos os momentos, por não ter acontecido ainda comigo, não esperava. Mas… Tenho a consciência que poderia acontecer a qualquer momento. Acredito ser um tanto, ou melhor, muito desnecessário, sem lógica alguma, nos dias de hoje ainda precisarmos lutar por um conceito de “alguns” que é totalmente errado.

Como ainda existem preconceitos, diferenças e atacarmos alguém ou julgarmos diferentes seja pela cor, pelas escolhas e por aí vai… Cada um é cada um e todos somos iguais, o que nos diferencia é exatamente a construção do caráter, dignidade e a capacidade.
Espero e desejo que todos possam entender isso e assim consigamos dar fim. Infelizmente na internet as pessoas acabam tomando atitudes e esquecem que podem vir à responder por essas atitudes também.

Qualquer tipo de preconceito é errado, precisamos aprender a respeitar para sermos respeitados. Racismo é crime! Racismo é…Luta!
E vou sim lutar e fazer entender que podemos e vamos sim nos libertar! Somos todos iguais!!!

Você esbanja estilo nas redes sociais. Como define o seu? Entendo que estilo não é uma “moda”, não é usar apenas por alguém estar usando. Estilo é você usar aquilo que tem a ver com você, com sua própria personalidade, o que lhe faz sentir bem. Acho que a definição de estilo é isso… Personalidade e personalidade cada um tem a sua! Então aí surge o estilo… JP Rufino de ser.

O que te inspira na hora de se vestir? Então, me inspiro no momento que estou vivendo, no estar bem comigo mesmo, em estar vestido da forma que transmita o meu jeito, o meu… Eu!

Quais os projetos profissionais e pessoais para o futuro? Além da novela tenho minha estreia no cinema, no filme “Uma Pitada de Sorte” o qual serei irmão da minha querida Fabiana Karla, com direção de Pedro Antonio Paes e que deve ser lançado esse ano. Alguns planos e projetos em andamento que ainda não estão concretizados. Porém o maior projeto é poder continuar minha trajetória que é o que me faz realizado e feliz!

Ping-pong:

• Nome: João Pedro
• Idade: 15 anos
• Local de nascimento: Rio de Janeiro
• Altura: 1,63
• Apelido: JP
• Qual é sua maior qualidade? Força de vontade
• E seu maior defeito? Tímido
• O que você mais aprecia em seus amigos? Sinceridade
• Sua atividade favorita é: Atuar
• Qual é sua ideia de felicidade? Realização dos meus objetivos
• Quem você gostaria de ser se não fosse você mesmo? Um líder de conquistas dos direitos
• E onde gostaria de viver? Em um Brasil melhor
• Qual é sua viagem preferida? Manaus
• Qual é sua cor favorita? Azul
• E qual é sua comida favorita? Bife com batata frita
• Um animal: Lobo
• Quais são seus atores preferidos? Marco Nanini, Selton Mello, Gandre Otelo, Oscarito…
• E seus cantores? Charlie Brown JR, Jota Quest, Legião Urbana, Cassia Eller, Roberto Carlos, Nirvana, Beatles…
• O que você mais detesta? Injustiça
• Que dom você gostaria de possuir? Pôr fim na violência
• Uma mania: Balançar as pernas
• Um sonho de consumo não realizado: Ter minha própria marca de roupas
• Uma lembrança de infância: Meu boneco (Homem Aranha)
• O que o irrita? Falta de respeito, de honestidade e sinceridade
• O que ou quem é o maior amor de sua vida? A Arte
• O que você considera a sua maior conquista? A chance de poder viver minha Arte
• Qual é o seu maior tesouro? Minha família
• Defina-se em uma palavra: Equilíbrio