Priscila Assum tem o universo conspirando a seu favor


Atriz fala do reconhecimento com a personagem.

Fotos: Ricardo Penna
Styling: Marlon Portugal
Beleza: Walter Lobato


A carioca Priscila Assum sempre foi sociável, e essa característica levou-a para as artes. Hoje ela coleciona papeis no teatro, cinema e novelas. Com o fim da novela “O Outro Lado do Paraíso”, Priscila despede-se de Desirée, uma garota de programa. Além disso, ela faz parte da série “O Mecanismo”. Em bate-papo exclusivo, a atriz falou do retorno do público, revelou ideias e comentou sobre o ofício de ser mãe.

Quando e como surgiu o interesse na atuação? Comecei a carreira de uma forma curiosa. Sempre fui comunicativa, e uma vizinha sugeriu à minha mãe que me colocasse num curso de teatro e fomos fazer a inscrição. Eu tinha 11 anos e naquele tempo havia o Teatro Villa Lobos na mesma rua que o teatro Princesa Isabel, minha mãe acabou confundindo os teatros e me levou ao Princesa Isabel, onde estavam acontecendo testes para um musical chamado “Os Sinos da Candelária”. Ao longo do dia fui passando por alguns testes que acreditávamos ser para ver em que nível eu ficaria. No decorrer do dia, já havia feito teste de canto, de dança e minha mãe começou a achar estranho tantas exigências, já que se tratava de um curso. Foi aí que explicaram que aquilo era um teste de um musical e ela então percebeu que havia confundido os endereços dos teatros, e se desculpou dizendo que eu nunca tinha feito nada na área. Estávamos indo embora, quando o produtor da peça pediu que esperássemos um pouco porque eu estava indo bem e a protagonista do musical era uma menina da minha idade. Depois de muitos testes, acabei sendo escalada para fazer o espetáculo, onde conheci amigos que tenho contato até hoje, como o Thiago Fragoso, que reencontrei na novela, e o André Marques.

Apesar de começar a atuar tão nova, já pensou em seguir outra carreira? Nossa profissão é algo muito difícil, justamente pela instabilidade. Mas posso dizer que trabalho duro desde os 11 anos, quando fiz essa peça que citei acima e logo depois emendei no filme “Como Nascem os Anjos”, que foi definitivamente meu começo profissional, onde vi que aquilo não era um passatempo, mas sim um trabalho que teria que me dedicar muito se quisesse continuar nele. E é exatamente o que faço, sempre que não estou trabalhando estou fazendo algum curso, aprendendo uma nova técnica, não só em interpretação, mas em áreas que considero enriquecedoras no meu ofício.
Como foi a preparação para interpretar uma garota de programa? Não foi a primeira vez? Já havia feito laboratório na Prado Júnior e na Avenida Atlântica, aqui no Rio, para uma outra personagem, também garota de programa, que fiz num filme. Porém, dessa vez a novela queria o lado alegre e divertido. A sensualidade e a dança estariam muito presentes em cena, por isso fizemos algumas aulas de pole dance e corpo com o Marcelo Aquino, que foi nosso preparador corporal e nos ajudou a encontrar a forma de andar e estar presente das nossas personagens. Assisti ainda a muitos filmes e séries, como gosto de fazer pra criar material. O filme Noites de Cabíria foi uma inspiração para mim.

Em “O Outro Lado do Paraíso” você teve seu primeiro grande destaque nas telinhas. Enxergou muita diferença no retorno do público? Com certeza. Tem sido muito bacana. As pessoas já chegam abrindo o sorriso pra mim, dizem que se divertem com a Desirée, me param na rua, querem tirar foto, torcem pela personagem e o que mais me perguntavam era quando a Desirée vai casar com o “pato” dela.

Com o fim da novela, como você analisa a Desirée? Mulher de personalidade forte, sincera, sem filtro, fala sobre o que vem a cabeça. De coração bom e que vai atrás do que quer! Até conseguir! Haha
Nas redes sociais, você se posiciona sobre os assuntos mais relevantes. Como enxerga o atual momento do país? Acho que quando olhamos o todo dá um certo desânimo e sensação de impotência, mas algo que me ajuda é ver no meu dia a dia, dentro da minha esfera, o que eu posso fazer pra melhorar o meu entorno. Noções de cidadania, mesmo!

Qual o trabalho dos sonhos? Ficar em turnê com um espetáculo viajando por cada cidadezinha do interior.

Você tem uma carreira um pouco mais discreta, porém premiada, no cinema e teatro. Encontra mais facilidade em atuar em alguma dessas áreas? Gosto de atuar, exercer meu ofício em todos os meios, seja no teatro, no cinema ou na televisão. Cada um tem sua particularidade e vamos nos adequando tecnicamente, mas a emoção, o sentimento, o estar presente e aberto ao jogo, são os mesmos.

Como cuida do corpo e da mente? Medito, faço análise e também me exercito quando dá, porém sempre tento me alimentar bem. Sempre gostei de comida, não sou de ficar beliscando besteira. Isso já facilita muito! Sou super atenta a isso, faço cursos de culinária, gosto de cozinhar, mas não sou neurótica com nada. Sei o que é bom pra mim, o que me faz bem, conheço o meu corpo.

Fale um pouco sobre a maternidade. Como a grande maioria das mães, sempre tento fazer o meu melhor, me multiplicando em dez para dar conta de ser mulher, mãe, esposa, profissional. Mas sem tentar passar imagem de super mulher, mostrando minhas limitações e possíveis falhas, diariamente. Tento entender as necessidades do meu filho, mostrar a ele que sua opinião é importante, que seus atos têm consequências, ou seja, educo. Eu sempre digo que criar é fácil, educar é que é difícil. Filhos são uma bela oportunidade de evolução e superação.

O que mais gosta de fazer com o seu filho? Adoramos viajar! Ele é um ótimo parceiro de viagem.

Gostaria de ter mais? Sim, pensamos muito em ter outro filho, tenho irmão e meu marido também e sabemos como é bom ter um pra dividir as experiências da vida.

Seu filho tem muita influência no seu trabalho? Quando ele nasceu e fui acompanhando seu desenvolvimento, comecei a querer trabalhar para as crianças. E como o universo está sempre conspirando a nosso favor, fui chamada para fazer a série infantil do Gloob “Detetives do Prédio Azul” e ali ele pôde ter acesso ao meu trabalho. Depois comecei sempre a buscar projetos infantis porque amo trabalhar para as crianças.

Quais os seus segredinhos de beleza? De qual item você não abre mão? Depois dos 30 é essencial ter uma boa dermato, ainda mais eu que tenho uma pele sensível. Mas o principal é se alimentar bem. Sempre uso filtro solar com base.

Com o fim da novela, o que mais vem por aí? Ainda tem o lançamento do filme “Tudo acaba em festa” esse ano. Vou tirar umas férias, já que vinha emendando alguns trabalhos e logo logo já estou nos sets de gravação.

Ping-Pong

• Nome: Priscila da Silva Assum 
• Idade: 34
• Local de nascimento: Rio de Janeiro
• Altura: 1,67
• Apelido: Tita
• Qual é sua maior qualidade? Alegria.
• E seu maior defeito? Ansiedade.
• O que você mais aprecia em seus amigos? Não tem como responder generalizando, cada amigo tem um traço de personalidade diferente que é justamente o que me faz apreciá-lo.
• Sua atividade favorita é: Viajar.
• Qual é sua ideia de felicidade? Saúde, amor e estar rodeada de amigos e família.
• Quem você gostaria de ser se não fosse você mesmo? Buda, hahaha.
• Qual é sua viagem preferida? Amei ir pra Chapada dos Veadeiros, muitos amigos estavam lá, meu filho curtiu muito, aquele lugar é mágico, de uma beleza e energia inigualáveis. 
• Qual é sua cor favorita? Pra vestir preto e branco. Pra meditar azul e verde. 
• E qual é sua comida favorita? O nosso bom e velho picadinho.
• Um animal: Cachorro.
• O que você mais detesta? Difícil detestar algo, mas fico muito triste com a desigualdade social em nosso país. 
• Que dom você gostaria de possuir? Teletransporte.
• Uma mania: Verificar se o gás do fogão está fechado antes de deitar.
• Um sonho de consumo não realizado: Tirar um ano sabático com minha família conhecendo outras culturas e me autoconhecendo também. 
• Uma lembrança de infância: O banho de rio na roça com os primos.
• O que a irrita? As grosserias no trânsito.
• O que ou quem é o maior amor de sua vida? Minha família.
• O que você considera a sua maior conquista? Meu trabalho.
• Qual é o seu maior tesouro? Meu filho.
• Defina-se em uma palavra: Ih, nem vou tentar, sou muitas! Haha