Simone Soares comenta os principais desafios da carreira artística

Atriz revela que já pensou em trabalhar como apresentadora.

Fotos: Márcio Farias
Stylist: André Moraes
Beleza: Geh Santos
Assessoria: Márcia Donelles


Aos 41 anos, a atriz natural de Taubaté, interior paulista, revela os segredos para manter a beleza e o corpão depois dos quarenta. Neste bate papo exclusivo, Simone Soares fala sobre a infância, suas inspirações profissionais, os planos para o futuro e ainda abre o jogo sobre sua mudança para Los Angeles.

O que te motivou a entrar na área artística? Desde pequena frequentava o Sítio do Pica Pau Amarelo e o hotel fazenda Mazzaropi, então posso dizer que os dois foram meus maiores motivadores na área artística. Meu primeiro personagem foi a Emília num teatro infantil no sítio do Pica Pau Amarelo em Taubaté. Assisti todos os filmes do Mazzaropi e sou muito fã, adoro o estilo de comédia com uma crítica social sutil. Como sou do interior me identifico muito com o Jeca.

Quais os principais desafios da área? O principal desafio da área é conseguir um bom personagem. Nós atores estamos sempre em busca do personagem ideal. Já fiz algumas loucuras pelos personagens, já raspei a cabeça na nuca pra prender o cabelo e parecer menino para um teste, já pintei o cabelo diversas vezes, já cortei, engordei. O mais difícil é o produtor de elenco lembrar de você com tantas opções, às vezes eles não acham que você se encaixa no personagem… Enfim, são muitos desafios mas acredito que tudo sem seu tempo e destino.

O que mais te inspira na profissão? Amo viver novos personagens, ter novos conflitos, passar novas mensagens, me inspira muito ver bom atores com bons roteiros, acredito na força do sonho e da dedicação.

Você já pensou em seguir outra carreira? Já pensei em ser apresentadora e dubladora. Quando era adolescente, apresentei um programa de vendas que se chamava Economania, no Vale do Paraíba.

Qual o trabalho dos sonhos? Tenho tantos sonhos, tantos personagens que gostaria de fazer… Gostaria de fazer uma caipira, uma versão feminina do Jeca. Sou muito fã de Mazzaropi, na faculdade de cinema fiz um trabalho e fiquei ainda mais apaixonada pelo empreendedor que ele foi.

Hoje, as mulheres têm alcançado papéis de destaque na área artística, o que você acha disso? Acho fundamental não só na área artística como na política e na direção de grandes empresas. O olhar feminino e a intuição são características femininas que às vezes faltam no mundo dos negócios.

Qual a sua relação com a moda? Você segue tendências, tem estilo definido? Adoro a moda confortável e estilosa, mas não sou escrava de tendências, gosto de escolher coisas que combinam com meu corpo e minha personalidade. Sou diferentes estilos, vou do clássico ao moderno.

E com a beleza? Tem algum ritual fixo? Acho que beleza e saúde caminham juntas. Procuro me alimentar bem, fazer exercícios regulares, praticar yôga, meditar, e ter bons pensamentos. Todo dia em jejum tomo água morna com limão, depois como frutas com mel e uma fatia de pão sem glúten com pasta de grão de bico. Uso cremes hidratantes desde os 20 anos e bebo bastante água.

Você pratica yôga, certo? Conte um pouco a respeito da sua relação com a prática. Comecei a praticar yôga com 20 anos em São Paulo, com o mestre De Rose. Hoje pratico várias modalidades como hot yôga. Adoro yôga porque você trabalha força, equilíbrio, respiração, determinação e foco.Conte um pouco a respeito da sua mudança para o exterior. Fui morar em Los Angeles para estudar inglês e fazer um curso profissionalizante de Vocal Yoga. Foi a melhor experiência da minha vida, ficar sozinha 3 meses, tendo que fazer tudo em um país diferente. Foi um desafio ficar longe da família, mas me sinto muito vitoriosa de ter conseguido voltar pra casa com 2 diplomas em 3 meses. Estudei duro, muitas vezes chorei de saudades e de cansaço mas estou muito feliz de ter conseguido superar todas as barreiras. Amei morar fora, me senti muito segura e fiquei impressionada com a educação e respeito dos americanos. Estou completamente apaixonada por Los Angeles.

Tem algum projeto para o futuro? Algo que possa nos contar? Tenho muitos projetos mas ainda não posso contar! O que posso adiantar é que, depois de um tempo tentando superar a depressão pela dor da rejeição por conta do meu pai, eu criei a campanha Sou Filha da Mãe, Mas Eu Tenho Pai, que ajudou muita gente que passa pela mesma dor. Tiveram casos muito felizes, como as irmãs que se reencontraram depois de 36 anos. Mas da mesma forma que ajudei acabei me machucando muito. Ao expor publicamente a minha dor, acabei sendo muito questionado e criticada. Mas agora renovada volto com força total, porque vi que a falta de nome do pai é um problema mundial, estudei com pessoas de diferentes países e todos sofrem pela ausência paterna. Então acredito que tudo tem um porque. Se eu passo por isso preciso ajudar outras pessoas que sofrem da mesma dor. Juntos somos mais fortes. Unidos venceremos. PING PONG

Local de nascimento: Taubaté

Uma qualidade: sinceridade

Um defeito: acreditar demais

Uma mania: sempre pontual

Sua ideia de felicidade é: ter saúde e sucesso

Sua atividade favorita é: estar filmando

Seu ator favorito é: Tom Hanks

Sua atriz favorita é: Meryl Streep

Uma cor: Rosa

Um animal: cachorro

Quem você gostaria de ser se não fosse você? Julia Roberts

E onde viveria? Rodeo Drive

Qual seu sonho ainda não realizado? Ter meu sobrenome paterno, amo muito minha avó, meu avô e meus tios. Amo meu pai, acredito que um dia ele vai se arrepender de tudo.

O que mais te irrita? injustiça

O que ou quem é o amor da sua vida? Meu marido e minha filha

Defina-se em uma palavra: Guerreira